Estilo de Vida

O Salmo 10:13, afirma “Por que blasfema de Deus o ímpio, dizendo no seu coração: Tu não inquirirás?”.

Não é uma questão das pessoas pensarem que Deus não existe, mas simplesmente negá-lo. Muitos não querem acreditar que Ele esteja entre nós. Alguns negam a Deus, e até mesmo chegam a renunciar expressamente as suas bençãos. Outros preferem pensar em um deus segundo as suas próprias convicções.

Deus diz claramente em muitas passagens que Ele vai julgar o pecado. Disso não há dúvida. E é justamente sobre isso que tratam os Dez Mandamentos: eles definem e sintetizam os pecados que o homem pratica contra o seu Criador. Por meio deles, sabemos o que Deus considera bom e mau, para que possamos entrar em juízo diante de Sua presença, sem desculpa. Uma das razões pela qual Cristo veio foi para se qualificar como sendo o Justo Juiz, para julgar a todos no último dia. Nós crentes, porém, temos a oportunidade maravilhosa de anteciparmos esse julgamento quando nos julgamos a nós mesmos, não segundo os nossos parâmetros, mas segundo os parâmetros estabelecidos na Palavra de Deus. Se formos suficientemente honestos, reconhecermos hoje que não estamos dentro dos padrões definidos pelo Senhor, pedirmos perdão pelas nossas falhas e não pecarmos mais, Ele é fiel e justo para nos perdoar (1 João 1:9). Isso, sem nenhuma sombra de dúvida fará com que nosso julgamento seja muito mais brando.

O homem mau, segundo a definição das Escrituras, realmente crê que Deus não vai lhe exigir a prestação de contas dos seus atos. Ele acha que Deus não vai julgá-lo, que é inatingível. Por isso, em seu coração afirma “nunca me será requerido nada”.

O salmista está falando deste tipo de pessoa. No contexto da época ele fala de um israelita comum, de vida normal que, supostamente, conhece a Deus. Ele fazia parte do pacto pela circuncisão, e por isso ele deveria saber melhor, deveria se interessar pelas coisas do alto e temer mais o alcance da mão do Todo-Poderoso. No entanto, ele decidiu ignorar o que Deus disse e vive sua vida como um ateu praticante. Ele não é realmente um ateu, porque ele acredita que há um Deus, mas ele vive sua vida como se Deus não existisse. E infelizmente, a Igreja atual está em um momento muito parecido. A mesma exortação vale para os crentes atuais. É mais uma oportunidade que Deus nos dá para acertarmos o passo e corrigirmos as falhas.

O homem mau de hoje engloba também aquele que professa a Cristo. Mas seu estilo de vida demonstra o que realmente passa em seu interior: de que no fundo, ele não crê que Deus exista.

Pastor Evangélico, Advogado, Conferencista Internacional, Facilitador em Treinamentos Empresariais, Empresário, Life, Executive & Professional Coach, Problogger.

Deixe uma resposta